terça-feira, 16 de agosto de 2005

No cabo da minha enxada não conheço "coroné"

Uma música que marcou a minha infância, apesar de não captar sua mensagem na época.
MPB 80 era o nome do disco. Era o resultado do Festival MPB Shell da Rede Globo, em 1980. Músicas como "Agonia" (Mongol), interpretada por Oswaldo Montenegro, "Porto Solidão" (Zeca Bahia/Ginko), com Jessé, "Clareana" (Maurício Maestro/Joyce), com Joyce e "A Massa" (Raimundo Sodré/Jorge Portugal), entre outras. Esse disco era do meu pai, que, depois do surgimento do CD, jogou fora, deu, vendeu e emprestou todos os seus LPs. Uma pena.
Ouvindo Elba Ramalho cantar "A Massa" no seu disco "Paisagem", muita coisa veio na lembrança. Foi meio difícil achar a letra, mas ela tá aqui. Uma letra ainda atual, infelizmente.

A Massa
(Raimundo Sodré - Jorge Portugal)

A dor da gente é dor de menino acanhado
Menino-bezerro pisado no curral do mundo a penar
Que salta aos olhos igual a um gemido calado
A sombra do mal-assombrado é a dor de nem poder chorar

Moinho de homens que nem girimuns amassados
Mansos meninos domados, massa de medos iguais
Amassando a massa a mão que amassa a comida
Esculpe, modela e castiga a massa dos homens normais

Quando eu lembro da massa da mandioca mãe, da massa
When I remember of "massa" of manioc
Nunca mais me fizeram aquela presença, mãe
Da massa que planta a mandioca, mãe
A massa que eu falo é a que passa fome, mãe
A massa que planta a mandioca, mãe
Quand je rappele de la masse du manioc, mére
Quando eu lembro da massa da mandioca

Lelé meu amor lelé no cabo da minha enxada não conheço "coroné"
Eu quero mas não quero (camarão). Minha mulher na função (camarão)
Que está livre de um abraço, mas não está de um beliscão
Torna a repetir meu amor: ai, ai, ai!
É que o guarda civil não quer a roupa no quarador
Meu Deus onde vai parar, parar essa massa
Meu Deus onde vai rolar, rolar essa massa

2 comentários:

Anonymous disse...

meu menino está crescendo..... ;)

carol.

Anonymous disse...

ô, tá na hora de atualizar isso aqui, hein? ;P